5743541409
 

PÓLIPOS NO

INTESTINO

O pólipo intestinal é uma alteração causada pelo crescimento anormal da mucosa do cólon e reto. É uma das condições mais comuns que afeta o intestino, ocorrendo em 15 a 20% da população.

É muito importante a análise adequada do tipo do pólipo e suas características. Alguns pólipos são baixos e planos, outros são altos e se assemelham a um cogumelo. Inicialmente eles são pequenos e benignos, mas podem crescer, sofrer mutações e se tornarem malignos. Por este motivo é tão importante a remoção dos pólipos pelo médico especialista coloproctologista, com a finalidade de prevenir o câncer.

A idade de maior risco para o surgimento dos pólipos é após os 50 anos. Na maioria das vezes, os pólipos não apresentam sintomas, sendo descobertos através de exame de colonoscopia. Quando provocam sintomas, podem causar sangramento, saída de muco com as fezes, alterações no funcionamento do intestino e, em casos raros, dores abdominais.

  • YouTube - círculo cinza

CÂNCER COLORRETAL

Câncer começa nas células, unidades de construção dos tecidos que revestem os órgãos do corpo.

 

Normalmente, as células crescem e se dividem para formar novas células, conforme o organismo precisa delas. Quando as células envelhecem, elas morrem e novas células tomam o seu lugar. Às vezes, no entanto, este processo dá errado. Novas células se formam quando o corpo não precisa delas e as células velhas não morrem quando deveriam. Essas células extras podem formar uma massa de tecido chamada tumor.

Os tumores podem ser benignos ou malignos. Tumores benignos não invadem os tecidos ao redor nem se espalham para outras partes do corpo, podem ser removidos e geralmente não voltam a crescer. Por outro lado, tumores malignos são cancerosos e podem ser fatais. Eles geralmente podem ser removidos, mas às vezes crescem de volta, podendo espalhar-se para outras partes do corpo através da corrente sanguínea ou do sistema linfático e formar novos tumores.

O câncer colorretal (câncer de cólon/intestino ou reto) é o terceiro câncer mais comum. Quando descoberto em seus estágios iniciais, geralmente é tratado com cirurgia e muitas vezes curado. Infelizmente, muitas pessoas não apresentam sintomas ou dor até que a doença atinja um estágio avançado e comece a se espalhar para outros órgãos, como fígado ou pulmões. 

 

Quando os sintomas ocorrem, eles incluem diarreia ou constipação, sensação de que o intestino não esvazia completamente, sangue vermelho ou muito escuro nas fezes, fezes mais estreitas do que o habitual, dores frequentes de gases ou cólicas, sentir-se cheio ou inchado, perder peso sem motivo conhecido, sentir-se muito cansado o tempo todo, náusea ou vômito.
 

Esses sintomas não são exclusivamente relacionados ao câncer, pois outros problemas de saúde podem causar os mesmos sintomas. É por isso que o diagnóstico diferencial feito por um médico especialista coloproctologista é tão importante.

PERGUNTAS

FREQUENTES

Todos os pólipos precisam ser tratados?

Todos os pólipos encontrados no exame endoscópico devem ser removidos e enviados para análise histopatológica. A maioria dos pólipos é removida através da colonoscopia, exame que permite a utilização de instrumentos delicados e especiais.

Depois que um pólipo é retirado ele volta?

Uma vez que o pólipo é removido totalmente, sua recorrência (reaparecimento) não é comum, mas pode acontecer. Também podem surgir novos pólipos em locais diferentes, o que ocorre em cerca de 30% dos indivíduos. Por esse motivo, o acompanhamento periódico deve ser realizado pelo médico especialista coloproctologista.

De quanto em quanto tempo preciso fazer os exames para verificar a existência de pólipos?

O intervalo de tempo para voltar a realizar um exame depende do que foi encontrado no último exame, assim como do risco (pessoal e familiar) que cada um possui em desenvolver câncer intestinal. Nas situações que caracterizam risco elevado para o câncer de intestino, a investigação deve ser mais frequente.

Com que idade se deve iniciar o rastreamento do câncer de cólon?
É indicado começar a triagem aos 50 anos. Contudo, alguns pacientes devem iniciar a triagem em idade mais precoce devido a fatores de risco como doença inflamatória intestinal e histórico familiar de câncer de intestino.

Como se desenvolve o câncer colorretal?
Geralmente o câncer colorretal começa como um crescimento benigno do pólipo do cólon. Em algum momento, as células desses pólipos podem começar a crescer e a se dividir de maneira desordenada, levando ao câncer colorretal.

Quem tem risco de desenvolver câncer colorretal?
Embora a história familiar ou a história pessoal de outras doenças colorretais colocam certos indivíduos em um grupo de maior risco, todas as pessoas tem algum risco de desenvolver câncer colorretal. O câncer colorretal é a segunda principal causa de morte por câncer e a terceira forma mais comum de câncer.

O que posso fazer para prevenir o câncer colorretal?
Existem fatores de estilo de vida que contribuem para o desenvolvimento do câncer de cólon e reto, como tabagismo, uso excessivo de álcool, obesidade, sedentarismo e dieta rica em carnes vermelhas e pobre em fibras.

É correto afirmar "Eu provavelmente não tenho câncer de cólon, pois não tenho sangue nas minhas fezes e não tenho sintomas"?
O que torna o câncer colorretal perigoso é que a maioria dos pacientes diagnosticados com câncer colorretal relatam não ter sintomas. Geralmente, se houver sintomas, pode indicar um estágio avançado do câncer colorretal.